Codility – PermMissingElem

I scored 100% in #php on @Codility!
https://codility.com/demo/take-sample-test/perm_missing_elem/

Training ticket

Session
ID: trainingWEF9F8-YEU
Time limit: 120 min.

Status: closed
Created on: 2016-01-17 03:25 UTC
Started on: 2016-01-17 03:25 UTC
Finished on: 2016-01-17 03:40 UTC

Training ticket (real finishing time)

Session
ID: trainingCSVQV7-4KF
Time limit: 120 min.

Status: closed
Created on: 2016-01-17 04:29 UTC
Started on: 2016-01-17 04:29 UTC
Finished on: 2016-01-17 04:30 UTC

Codility – OddOccurrencesInArray

I scored 66% in #php on @Codility!
https://codility.com/demo/take-sample-test/odd_occurrences_in_array/

I don’t know how to do better yet.

Training ticket

Session
ID: training8BGA3Q-8PA
Time limit: 120 min.

Status: closed
Created on: 2016-01-17 03:06 UTC
Started on: 2016-01-17 03:06 UTC
Finished on: 2016-01-17 03:07 UTC

Segurança no PHP II

Requisito 4: Sem erros para o usuário

Falaremos aqui de outro ponto importantíssimo na questão de segurança que é freqüentemente ignorado pelos desenvolvedores: as mensagens de erro.

As mensagens de erro foram feitas para que o desenvolvedor possa trabalhar de forma mais prática e descobrir o que ele está fazendo de errado. Observem, entretando, que, quando uma aplicação atinge maturidade suficiente para “entrar em produção”, torna-se imperativo que o usuário não visualize mensagens de erro.

A razão disso é muito simples: as mensagens de erro freqüentemente trazem informações sensíveis. Observe como exemplo uma típica mensagem de falha de conexão com a base de dados:

Warning: mysql_connect() [function.mysql-connect]:
Access denied for user 'foo'@'localhost' (using password: YES)
in /usr/local/apache/htdocs/script.php on line 2

Note, através das partes destacadas, que esta mensagem me informa:

  1. O tipo de RDBMS: mysql
  2. O usuário de conexão com a base: foo
  3. Que este usuário está tentando uma conexão de dentro do servidor: localhost
  4. O caminho absoluto da raiz web: /usr/local/apache/htdocs
  5. O nome do script: script.php

É por isso que, quando colocamos uma aplicação em produção, ocultamos as mensagens de erro e as gravamos diretamente em um arquivo de log. Isto é muito simples de implementar:

Exemplo:

display_errors = Off
log_errors = On
error_log = /log/php_errors.log

Requisito #5: Esconda do servidor web o que ele não precisa acessar

Quantos de nós não usamos em nossas aplicações um arquivo, tipicamente chamado de config.php ou setup.php, onde guardamos, por exemplo, usuário e senha da base de dados?

Não há nada de errado nisso, mas cuidado: se este arquivo não gera saída de informação em HTML, por que deixá-lo acessível via web?

Para esclarecermos o problema, vamos definir 3 coisas:

  1. minha raiz web é: /usr/local/apache/htdocs
  2. meu arquivo de configuração fica localizado em /usr/local/htdocs/config/config.php
  3. este é um código típico que usa este arquivo:

require_once("/urs/local/htdocs/config/config.php");
/* bla bla bla */

Observe que o erro neste caso é confundir interpretador PHP e servidor web. O Apache (ou IIS, Xitami etc) não precisa saber onde está este arquivo. Isto é responsabilidade do interpretador.

Outro problema é que se arquivo fica desnecessariamente exposto, afinal de contas basta eu abrir um navegador e digitar:

http://www.meusite.com.br/config/config.php

Não faz sentido. Por mais que você possa argumentar que não há forma de ler o código-fonte deste arquivo, ainda assim, isto não muda o fato de que ele está desnecessariamente exposto.

A solução é simples: movemos o arquivo para fora da raiz web:

/usr/local/config/config.php

E depois apenas acertamos as permissões e corrigimos nosso código:

require_once("/urs/local/config/config.php");
/* bla bla bla */

A partir de agora nosso arquivo de configuração só pode ser lido por quem precisa dele: o interpretador PHP.

Requisito #6: Use criptografia

Dados sigilosos são chamados assim por um motivo. Quando tratamos especificamente de senhas é impressionante a quantidade de aplicações web que gravam senhas em texto puro na base de dados.

Ora, se a senha possui a importância que tem e quem a escolhe é o usuário, por que alguém mais precisa ler essa senha?

Se a senha possui este peso em nossa aplicação, não podemos nos dar o luxo de fazer com que ela trafegue pela aplicação totalmente exposta.

PHP implementa criptografia de várias formas, mas eu sugiro – para quem puder usar, pois exige instalação e configuração extra – a utilização da função mcrypt.

Os hashes MD5 e SHA-1 são opções válidas, mas o problema é a sua fragilidade: para o MD5 existe até dicionário de dados, enquanto o SHA-1 foi recentemente “quebrado” por um pesquisador chinês.

Conclusão

A implementação de regras básicas de segurança depende apena da boa vontade do desenvolvedor. Você deve ter percebido como a maior parte das soluções aqui apresentadas significam simples mudanças de hábito.

É mais do que tempo de nós, desenvolvedores PHP, deixarmos de lado nossos antigos vícios e começarmos a implementar boas práticas de programação.

Ganha o profissional, ganha a sua aplicação, ganha o seu cliente, ganha o mercado. Só quem perde nessa situação é quem tenta se aproveitar de nossa aplicação.

Referências e links sugeridos

[PHP Security Consortium] – http://phpsec.org/

Er Galvão Abbott trabalha há mais de dez anos com programação de websites e sistemas corporativos com interface web. Autodidata, teve seu primeiro contato com a linguagem HTML em 1995, quando a internet estreava no Brasil. Atualmente, além de lecionar em diversos cursos, tem se dedicado ao desenvolvimento de sistemas baseados na web, tendo nas linguagens PHP, Perl e JavaScript suas principais paixões.

Parte I

Enviando mensagens com o PHPMailer

O PHPMailer é um componente de envio de e-mail para servidores que exigem autenticação ou para um desenvolvedor que deseje configurações mais avançadas para a rotina de e-mail pelo php que o a função mail() não possua. É importante percebermos que um servidor que exige autenticação o faz por razões de segurança, para que o mesmo não caia nas listas negras caracterizado como um servidor de Spams.

A seguir, um exemplo de código para envio de e-mail pelo PHPMailer (para páginas de Contato ou Fale Conosco, por exemplo).

Obs: O ideal é que você baixe o PHPMailer e coloque no seu próprio servidor, deixando com que o seu domínio sempre tenha independência e rapidez no envio de mensagens através das suas páginas.