Taxista e o trânsito

Pelo menos aqui no Rio de Janeiro, os taxistas, que teoricamente são os profissionais do trânsito, são, notadamente, os piores motoristas. Algumas pessoas até falam mal dos motoristas de ônibus, mas, em minha concepção, os taxistas estão muito à frente quando se fala em dirigir mal e perigosamente.

Durante A Grande Família de ontem me diverti numa cena que é completamente real: Agostinho (Pedro Cardoso) está muito apreensivo para o exame de renovação da carteira de habilitação. Marilda (Andréa Beltrão) ajuda-o revendo as questões da prova e pergunta:

– O que você deve fazer quando está na pista da esquerda e vem um motorista em maior velocidade?
– Essa é mole. Eu não preciso fazer nada.
– Se você não precisasse fazer nada não seria uma questão do exame, né, Agostinho? Você tem que dar passagem ao invés de ficar se arrastando na pista da esquerda.

Taí o pensamento dos taxistas. Claro que estou generalizando, mas difícil mesmo é algum agir de maneira diferente da do Agostinho.

Outro dia, voltando de madrugada para casa, eu estava numa rua principal de Piedade quando um taxista abruptamente avançou o sinal de uma das ruas laterais para entrar nesta rua principal, inclusive avançando na pista contrária (a rua é de mão dupla). Eu estava um pouco distante, mas com uma boa velocidade porque os sinais estavam todos abertos para mim. Se eu não estivesse atento, certamente bateríamos. Diminuí um pouco a velocidade e fiz questão de buzinar com vontade desde o momento em que o vi avançando o sinal até o momento em que eu o ultrapassei. Ao parar no próximo sinal, ele parou ao meu lado e teve a cara de pau de querer tentar dizer alguma coisa. Eu me antecipei:

– Você é doido? Poderia causar um acidente numa pista a essa hora da noite com a pista livre e os sinais abertos para mim.
– Eu sei que estou errado, mas não tem necessidade de buzinar.
– Você tá errado e não tem direito de falar nada.

Só para não deixar o Agostinho mentir, a atitude do taxista demonstrou que ele ficou incomodado com minha buzina e não com o perigo que corremos pela imprudência dele. Às favas com a direção defensiva.

Vergonhoso.